sexta-feira, 26 de junho de 2015

Luis Fernando Veríssimo sobre o Ódio de coxinhas, fascistas e das elites que os financiam contra todo pensamento progressista ou partido de esquerda, especialmente ao PT, o primeiro de esquerda a chegar democraticamente ao poder, no Brasil



I - Introdução por

Carlos Antonio Fragoso Guimarães

  Jô Soares, em seu último programa com as "Meninas do Jô", comentou e discutiu as pichações de coxinhas-golpistas antidemocráticos de direita, com os dizeres "Jô Soares, Morra", em frente ao seu prédio, o que assustou inúmeras pessoas, inclusive crianças que frequentam duas escolas próximas.


Tal ato de Terrorismo, manifestação de ódio e covardia são bem dignas dos seguidores de Olavo de Carvalho, Arnaldo Jabor, Kim Kataguri, Marcello Reis, Diogo Mainardi, Rodrigo Constantino e Reinaldo Azevedo, retoma uma prática comum de covardes nazistas dos tempos da ditadura, e tudo isso porque o apresentador corajosamente vem defendendo a democracia e a presidenta Dilma da onda fascistóide, fundamentalista e golpista, fomentada pela Casa Grande e sua mídia amestrada, contra o resultado legítimo das Urnas, enfrentando  os interesses golpistas da própria emissora que o contratou, a poderosa e Golpista Rede Globo, como demonstrou a entrevista feita com a presidente e que levou a emissora a suspender seu programa semana passada, pondo no lugar os jogos da copa Sub-20 (que ela nunca transmitiu antes), e já buscando uma alternativa ao programa do Jô para breve.

 Leia o artigo-crônica de Luis Fernando Veríssimo, publicado no Estado de São Paulo, sobre o ódio vingativo, fascista e truculento da direita golpista. Logo após, veja o vídeo, (extraido do Contexto Livre), onde o apresentador e humorista Jô Soares comenta o fato fascista de que foi vítima e suas implicações:


II - Segue o texto do cronista Luis Fernando Veríssimo

Ódio


Texto de Luis Fernando Veríssimo, publicado no Estado de São Paulo (também publicado em  O Globo), em 25 Junho 2015 | 02h 00




Não vi a entrevista do Jô com a Dilma, mas, conhecendo o Jô, sei que ele não foi diferente do que é no seu programa: um homem civilizado, sintonizado com seu tempo, que tem suas convicções - muitas vezes críticas ao governo -, mas respeita a diversidade de opiniões e o direito dos outros de expressá-las. Que Jô fez uma matéria jornalística importante e correta não é surpresa. Como não é surpresa, com todo esse vitríolo no ar, a reação furiosa que causou pelo simples fato de ter sido feita.

  A deterioração do debate político no Brasil é consequência direta de um antipetismo justificável, dado aos desmandos do próprio PT no governo, e de um ódio ao PT que ultrapassa a razão. O antipetismo decorre em partes iguais da frustração sincera com as promessas irrealizadas do PT e do oportunismo político de quem ataca o adversário enfraquecido. Já o ódio ao PT existiria mesmo que o PT tivesse sido um grande sucesso e o Brasil fosse hoje, depois de 12 anos de pseudossocialismo no poder, uma Suécia tropical. O antipetismo é consequência, o ódio ao PT é inato. O antipetismo começou com o PT, o ódio ao PT nasceu antes do PT. Está no DNA da classe dominante brasileira, que historicamente derruba, pelas armas se for preciso, toda ameaça ao seu domínio, seja qual for sua sigla. 

  É inútil tentar debater com o ódio exemplificado pela reação à entrevista do Jô e argumentar que, em alguns aspectos, o PT justificou-se no poder. Distribuiu renda, tirou gente da miséria e diminuiu um pouco a desigualdade social - feito que, pelo menos pra mim, entra como crédito na contabilidade moral de qualquer governo. O argumento seria inútil porque são justamente estas conquistas que revoltam o conservadorismo raivoso, para o qual “justiça social” virou uma senha do inimigo.

  Tudo isto é lamentável, mas irrelevante, já que o próprio Lula parece ter desesperado do PT. Se é verdade que o PT morreu, uma tarefa para investigadores do futuro será descobrir se foi suicídio ou assassinato. Ele se embrenhou nas suas próprias contradições e nunca mais foi visto ou pensou que poderia ser a primeira alternativa bem-sucedida ao domínio dos donos do poder e acordou um dia com um tiro na testa?

  De qualquer maneira, será uma história triste.

III - Segue o vídeo onde Jô Soares comenta as ações fascistas, em especial a pichação de que foi vitima


video

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá... Aqui há um espaço para seus comentários, se assim o desejar. Postagens com agressões gratuitas ou infundados ataques não serão mais aceitas.