sábado, 18 de fevereiro de 2012

A decadência dos clubes sociais, como o Astrea e a ASSUFEP, a morte dos bailes e o fim do Carnaval tradicional sadio

 
logotipo do Clube Astrea, fundado em 1886


Carlos Antonio Fragoso Guimarães

  É interessante como poucos parecem perceber que mudanças de comportamento social podem ser inferidas pelo fim de instituições antes tão ligadas ao modo sadio da sociedade se entreter, praticar atividades físicas e interagir, vieram a definhar e desaparecer. De certa forma, a decadência dos clubes sociais parecem representar a própria decadência da qualidade de vida e da interação social nas cidades. A época da pujança destes, até fins dos anos 1980 coincide com a época em que ainda era possível ver as pessoas podendo caminhar com poucos cuidados pelas ruas da cidade sem medo de serem assaltadas ou coisa pior.  Tempo em que se podia visitar vizinhos sem que estes estivessem tão presos à TV ou isolados em seus quartos diante de um pc. Tempo onde a prática de esportes e de convívio era incentivada pelos mesmos clubes hoje abandonados, em grande parte das cidades. 

 Os Clubes eram o espaço favorito da juventude, junto com o cinema, após as aulas diurnas. Lá os amigos podiam se encontrar e praticar esportes ou mesmo jogar recreativamente. Clubes eram o espaço protegido onde os bailes de Carnaval eram mais românticos, em que as pessoas faziam a sua própria fantasia de forma espontânea sem se ater ao consumismo midiático e padrões impostos de festividades modeladas e fabricadas - algumas financiadas pelo jogo do bicho ou coisa pior - como as do Rio (o Carnaval, que deveria ser do povo, se reduz a desfiles de escolas de samba "rede globalizadas"?) e da Bahia (a diversidade de estilos e costumes se reduzem ao trio elétrico?)... Sumiram com as marchinhas, o forró e o frevo e impuseram o axé e o samba de desfile controlado, pronto para "estrelas" de tv... Desaparecem a criatividade das fantasias improvisadas e assumem as peças industrializadas, abadás, mortalhas e fantasias padronizadas, massificadas.... Morre a alegria da brincadeira entre amigos e se fortalece a falsa alegria da disputa midiática banhada em bebidas (aliás, a mídia recebe uma boa fatia de dinheiro ao mostrar os "estrelados" e calculados camarotes de cervejeiras).

  O contexto seguro dos bailes de salão foi substituído, por pura falta de opção, pelos blocos de rua, alguns ainda advindos do povo, outros criados para lucrar pela venda de "fardas" para desfiles que já não são mais de todos, existindo um cordão de isolamento entre os que compram e seguem os carros de som, e os de fora, os da "pipoca", nova forma de distinção e separação social. Sociologicamente, tal mudança de costumes é reflexo da mudança de mentalidades, de expressão da alegria espontânea para a de padrões de aparência, normalmente ditadas pela mídia atreladas ao mercado, associadas a novas, lucrativas e espúrias formas de segregação e sintoma da decadência dos hábitos influenciadas pelo poder econômico, que se fortalece por falta de uma consciência reflexiva maior por parte dos políticos e da população.

  É pena ver como grandes clubes antigos, como o saudoso Clube Astréa, de João Pessoa, fundado ainda na época do Império, em 1886, e que tanta história tinha como foco aglutinador e sedimentador do convívio social, na importância que desempenhou no fomento ao esporte estudantil, com os brilhantes Jogos da Primavera - e que funcionou socialmente até 1989 - ser hoje um prédio quase esquecido, servindo de estacionamento para duas emissoras de TV e alugado apenas para um evento ou outro, a ser talvez melancolicamente comprado por uma seita evangélica, em um destino semelhante ao que atingiu a Associação dos Servidores da Universidade Federal da Paraíba, ASUFEP, construído em um espaço privilegiado e cobiçado pela poderosa e anti-ecológica especulação imobiliária no Altiplano Cabo Branco e que, infelizmente, hoje pertence a uma minoria cheia de dinheiro, a Igreja Batista da Cristandade.... Ou seja, o espaço para a recreação e práticas esportivas dos funcionários da importante instituição de ensino para a maioria foi dado para o bem de uma minoria que inferniza a vida dos que não pertencem à sua doutrina fundamentalista.

  O também outrora grande Clube Cabo Branco ainda existe, mas está tão envolvido em dívidas que causa espanto ainda não ter findado, embora há muito tenha perdido a pujança e exuberância que antes possuía. E a A.A.B.B seguiu o mesmo caminho do Banco do Brasil, destroçado na sanha neoliberal entreguista de Serra-FHC: apagou-se. Bela metáfora da mediocridade em que caiu o Brasil a partir no mergulho nos ideais midiáticos neoliberais.... A que pontos chegamos? Onde está a intervenção dos "representantes do povo" para reverter tal calamidade cujas consequências para a saúde coletiva começamos a ver? Não fazem nada, nem farão, por incompetência e descaso puro à nossa história, aos espaços sadios de confraternização. A mentalidade dos políticos é, antes de tudo, individualista e oportunista, não propriamente dedicada ao bem comum.

  Esse declínio dos clubes sociais não é algo natural, é algo imposto por invasão cultural de um outro modelo de convívio social, e este é a expressão de um individualismo forçado, criado pelo neoliberalismo, que desmancha as oportunidades de interação, o que é bem próprio desta fase do capitalismo de concorrência e consumismo desenfreado. Some a alegria da espontaneidade e oportunidade de interação lúdica entre todos e sedimenta-se o consumismo e vulgarização midiatizadas em prol de destaques banais de individualidades.
 
   Nossos pais, tios, avós souberam bem aproveitar os clubes, locais privilegiados, ao lado das praças e igrejas, para a convivência sadia, para a diversão positiva (saudades do Azul e Branco). Os bailes de comuns Carnaval, de debutantes, de confraternização, de práticas esportivas, de eventos artísticos estão sendo trocados por espaços consumistas de shoppings, academias e condomínios homogenizados, construídos para sedimentar e distanciar as pessoas "de dentro e as de fora" dos mesmos, com o interesse mais no bolso que na recreação... 

  A geração mais nova, por falta desta vivência, desta familiaridade de convívio sadio, não tem como comparar o que é um Carnaval ou uma festa de São João fraternal com as aberrações de hoje. Desconhecem também o que seja um espaço neutro onde as equipes esportivas das escolas públicas e privadas possam brilhar, apresentando promissores atletas... Estes espaços foram tomados agora por religiosos fundamentalistas exclusivistas com pretensões políticas. É esse o progresso ou, ao contrário, a imersão total na alienação? É pena.... a alegria morreu para dar lugar à eficiência econômica, ligadas a uma série de representações aparentes de sucesso atreladas midiaticamente à expansão de um modelo de modernidade neoliberal alienante e à imbecilidade religiosa...

4 comentários:

  1. Eu, Sebastião Medeiros sou sócio REMIDO desse Clube, mais atualmente existe uma COMISSÃO São eles: Robertson (Func. do TRT), Odon Bezerra (OAB), Manoel Izidro (Func Públicodo Estado/PB) Arivaldo Marques (UFPB) e Sr.Muribega. Hoje este Clube e como fosse privado só para Sr. Robertson & cia... No Governo de Ricardo Coutinho Prefeito, o Secretário de Esporte na época era o Advogado Sr. VATOR, e ofereceu varias proposta da Prefeitura para implantar o PROGRAMA (SEGUNDO TEMPO), mais teve êxito.

    ResponderExcluir
  2. Digo, Não teve êxito.

    ResponderExcluir
  3. Pergunto quando é a proximar eleições do CLUBE ASTREA??

    ResponderExcluir
  4. ORLANDO CHALEGRE DE ALMEIDA29 de julho de 2015 15:56

    Prezado Sr. Carlos Antonio. Fui um frequentador assíduo deste maravilhoso Clube, até o ano de 1973 quando, após minha formatura, me transferi para São Paulo, onde iniciei minha vida profissional. Hoje, com parentes morando bem próximo do Clube e eu hoje na cidade do Recife, sempre tenho procurado saber, quando os visito, o que estão fazendo com as instalações do Astrea. Vendo o abandono daquele patrimônio que faz parte da história da cidade de João Pessoa, sempre ouço daqueles a quem indago que o valor patrimonial é insuficiente para liquidar as dívidas contraídas ao longo dos tempos. Aí eu pergunto. Porque o poder público não assume e implanta algo que possa trazer benefícios à população, mesmo que não seja o resgate daquele tempo que vc tão bem narrou no seu comentário, pelo qual lhe parabenizo, mesmo não concordando com a imputação das responsabilidades, haja vista a mudança política que tivemos, após a influência daqueles por vc citado, que não procuraram corrigir os males atribuídos aos mesmos? Assim sendo, fica aqui meus cumprimentos elogiosos a vc, bem como meu desejo de saber mais detalhes sobre a verdadeira situação daquela entidade social, quem sabe ainda sonhando em vê-la novamente pujante como antes.

    ResponderExcluir

Olá... Aqui há um espaço para seus comentários, se assim o desejar. Postagens com agressões gratuitas ou infundados ataques não serão mais aceitas.